Testes: novas formas de luta

Grande quantidade de pais americanos estão optando por impedirem seus filhos de serem objeto de testes de alto impacto nas escolas. A lei americana (opt out) permite que os pais determinem às escolas de seus filhos que não os incluam nos testes de larga escala. Em lugares como Colorado, Flórida, Nova Jersey e Nova York a retirada é significativa. O movimento é nacional.

O problema que isso acarreta é que a lei americana No Child Left Behind exige que cada escola inclua nos testes pelo menos 95 por cento de seus alunos, ou então o distrito ou estado poderia enfrentar sanções, implicando em perda de acesso a recursos federais. A exigência é extensiva proporcionalmente aos subgrupos de pobreza e raciais.

Alguns estados e escolas estão próximos de não atingir o limiar da exigência de 95% de presença devido ao movimento anti-teste “opt out”. O estado do Colorado já pediu ao governo federal que flexibilize a exigência, temendo não atingí-la.

Eis aí um movimento interessante. O primeiro passo, no Brasil, é garantir leis que permitam aos pais impedirem que seus filhos sejam envolvidos nos testes, sem retaliação por parte das escolas. Em seguida, é mobilizar os pais para que retirem seus filhos dos exames. Podemos comprometer o desenho da avaliação se conseguimos reduzir o número de alunos em cada turma que se dispõem a fazer o exame.

Os pais precisam ser envolvidos nesta luta e para isso, temos que mostrar a eles os efeitos nefastos que os testes de alto impacto acarretam a seus filhos.

Os únicos exames e testes válidos são aqueles planejados e aplicados pelos próprios professores para conhecerem o desempenho de seus alunos na sua classe.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em ANA - alunos de 8 anos, Ideb, Responsabilização/accountability, Saresp e marcado , . Guardar link permanente.

3 respostas para Testes: novas formas de luta

  1. Remo Bastos disse:

    Mina de OURO, Prof. Luiz Carlos de Freitas. Obrigado por compartilhar.

  2. Pingback: TESTES: NOVAS FORMAS DE LUTA | Grupo de Estudos e Pesquisa em Avaliação e Organização do Trabalho Pedagógico

  3. Eu penso que, no Brasil, não há lei que obrigue os professores a participarem dos testes. No nosso caso, parece ser necessário apenas “articular” a não participação nas escolas (grupos de professores que não aceitem a aplicação dos testes). Os espaços em que esta não participação deliberada dos professores pode ter alguma reação contrária são nas redes que já aderiram à bonificação. O que também não impediria que amplos movimentos a derrubassem. Mas com este facismo que anda solto por aí, tudo reduzido ao individualismo e ao dinheiro, sei que uma reação básica acaba sendo bem mais difícil do que parece.

Deixe uma resposta para Andréa Rosana Fetzner Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s