Professores: gasolina no fogo

A formação de professores no Brasil é uma bomba relógio que ninguém quer desarmar. Há mais de 20 anos vem sendo armada. Não é surpresa para ninguém. Mais um estudo, agora, mostra o tamanho do descaso com a área, o qual se mede em décadas: 40% dos professores do ensino médio no país estarão em condições de se aposentar em seis anos. E não pensam em prolongar sua estadia na escola. Junte-se a isso a queda nas matrículas dos cursos de formação nas Universidades e se terá o quadro completo do desastre.

“Um relatório inédito feito pelo Ministério da Educação mostra que, ao longo dos próximos seis anos, 40% dos cerca de 507 mil professores do ensino médio brasileiro atingirão as condições de idade ou tempo de contribuição para se aposentar, revela Renata Mariz. Responsável pelo estudo, o secretário de Educação Superior, Jesualdo Pereira Farias, diz que o governo deve se preocupar com a previsão. O quadro é agravado pela diminuição no número de formandos nos cursos de licenciatura em disciplinas da educação básica: segundo o Censo do MEC, houve uma queda de 16% entre 2010 e 2012.”

Veja matéria completa aqui.

Enquanto isso, as políticas de responsabilização avançam pressionando os professores nas salas de aula, ameaçando com a retirada de benefícios, encobrindo maus salários com oferta de pagamento por bônus (achando que isso é valorizar a profissão), ameaçando com demissão se os alunos não aprendem, condicionando salários a resultados de alunos em testes, terceirização da gestão para organizações sociais que pagam pior ainda que o estado, ensino por protocolos, tratando os sindicatos como inimigos e adotando a terceirização para quebrá-los, entre outras medidas.

O que se vê nos Estados Unidos, país mestre na aplicação destas medidas, é uma queda na procura pela profissão, produto destas políticas lá vivenciadas em escala. São atalhos ilusórios.

Uma solução também fracassada foi liberar a formação de professores e controlar por certificação. Ou seja, desregula-se a formação profissional e controla-se por exames que certificam a competência para ensinar. O caso mais conhecido nos Estados Unidos é o da Teach for America que forma professores em seis semanas. No entanto, isso conseguiu colocar no mercado uma quantidade de professores irrelevante para o conjunto das necessidades e além disso, a rotatividade aumentou.

Portanto, o quadro é bem mais grave, pois as soluções que estão à vista para resolver o problema, são mais gasolina na fogueira.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Avaliação de professores, Escolas Charters, Janine no Ministério, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Professores: gasolina no fogo

  1. PROF. GILSON disse:

    Sou professor iniciante a cinco meses e já pretendo parar e fazer outra faculdade.

  2. Cris. disse:

    Isso irá piorar a cada ano que passa, no Brasil a profissão de professor virou profissão de desgosto.

  3. Ricardo disse:

    Sou professor universitário há três anos, gosto muito de estudar, aprender e ensinar, além de trocar experiências de vida e conhecimento com os acadêmicos. Logo, seria esperado que a docência fosse algo em que gostasse muito, entretanto, o que vivencio não é isso. O professor atualmente vive sob constante pressão, como se a responsabilidade pelo aprendizado do acadêmico fosse exclusivamente dele. Além disso, esse profissional está mergulhado em um sistema burocrático e muito pouco produtivo, no qual não há valorização profissional, nem incentivo para sua formação nem seus estudos em meio à sua profissão. Dentro de tal realidade, fico ainda surpreso com aqueles que decidem enfrentar tal situação e admiro quem persiste. Eu, por exemplo, vou fazer o possível para deixar esse barco.

  4. Fernando Brito Rufino disse:

    Uma vez esvaziada a oferta de professores pelas vias que temos, temo que isso vire desculpa para outra leva de “soluções” emergenciais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s