Peña: década perdida em Denver

Diane Ravitch nos informa sobre o mea-culpa de Theresa Peña que foi presidente do Conselho de Educação de Denver quando a cidade resolveu implementar a reforma empresarial da educação há mais de uma década.

“Há quase 11 anos, quando eu [Theresa Peña] atuei na Conselho de Educação de Denver, o Conselho e o Superintendente Michael Bennet publicaram um longo manifesto detalhando como planejávamos transformar e melhorar radicalmente a educação pública em Denver. Eles diziam:

“Daqui dez anos, deixe-os dizer que Denver foi a vanguarda da reforma da educação pública. Deixe-os dizer, daqui 10 anos, que em Denver vimos o que os outros não puderam ver, e assumimos a responsabilidade por apoiar nossos filhos. Deixe-os dizer que uma faísca voou em Denver e inflamou uma geração de educadores, crianças, pais e comunidades, e deu-lhes coragem para abandonar o status quo por um futuro brilhante. Podemos fazer isso em Denver; é simplesmente uma questão de imaginação e vontade “.

Em 2007, nosso Conselho acreditava que estávamos começando uma revolução. Nós íamos mudar dramaticamente o desempenho dos estudantes de Denver. Nós íamos construir um novo sistema educacional que servisse primeiro aos alunos.

Nós acreditávamos que os objetivos em nosso plano estratégico, conhecido como o Plano de Denver, fechariam as brechas de desempenho entre estudantes e estabeleceriam um novo caminho para todos os graduados das escolas públicas de Denver.

Estou escrevendo hoje para lhe dizer que falhamos. E, como uma cidade e um distrito escolar, ainda estamos coletivamente falhando com nossos alunos mais necessitados.”

Leia aqui.

Quem responde por este fracasso? As ideias da reforma empresarial podem ter falhado com os alunos de Denver, mas certamente não falharam com aqueles que esperavam lucrar com a implementação das ideias da reforma.

Esta é a razão pela qual é muito difícil impedir que mais décadas sejam perdidas: o voluntarismo acaba sendo presa fácil de ideias que tentam colocar a culpa dos baixos desempenho nas escolas públicas e seus professores.

Teremos que passar por isso também?

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Links para pesquisas, Mendonça no Ministério, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability, Segregação/exclusão, Vouchers e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s