MEC: Ministro “não aguenta o tranco”

O apagamento do ministro da Educação começa a incomodar o próprio governo. Notícias dão conta de que a visão que se cria é a de que o atual ministro “não aguenta o tranco” do pós-pandemia quando deverão aumentar as pressões por mais recursos. Em função, disso, chamou-se a “cavalaria”. O MEC está recompondo a ala militar no órgão, a qual ficou avariada com a balburdia de Weintraub.

Mais uma vez, tal como ocorreu no ministério da Saúde, os militares saem do quartel e atravessam a rua para administrar um órgão público, ou seja, para meter-se com a política. Se a política não vai ao quartel, como gostam de afirmar os generais, os militares vão à política. Qual a diferença? Nenhuma.

Se a “cavalaria” falhar, considera-se até mesmo, que com o horizonte de uma reforma ministerial no início de 2021, o ministro poderá ser trocado.

Leia mais aqui.  

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, MEC sob Bolsonaro, Pastor Milton no MEC e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para MEC: Ministro “não aguenta o tranco”

  1. Pingback: Educação em Debate, edição 302 – Jornal Pensar a Educação em Pauta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s