“Modelo Petrobrás” avança na saúde e na educação

A recente confusão criada com os preços da gasolina da Petrobras que motivaram a greve dos caminhoneiros, embora em uma área diferente, mostra a lógica do financismo: a gasolina tem que seguir o custo internacional – com variação diária em dólar – e não ficar controlada pelos seus efeitos na economia nacional e no dia-a-dia das pessoas, no Brasil. Primeiro deve-se garantir a rentabilidade dos investidores. Qualquer mudança nesta concepção é tida pelos rentistas  como “populismo” e “retrocesso”.

Para Samuel Pessôa, por exemplo, “a conta não pode ser jogada nos acionistas da Petrobrás”. Se o acionista comprou ações da Petrobras e acreditou na mudança da companhia, não há porque subitamente retroceder nesta política e jogar a conta para o acionista.

Curiosamente, todos sabemos que quem compra ações, entra em um “mercado de risco” – com ações ganha-se ou perde-se – faz parte da regra do “capitalismo desenvolvido”. Mas para Samuel, o acionista não pode correr risco, tem que ter seu lucro assegurado. Este é o tipo de capitalismo brasileiro, ou melhor dizendo, pré-capitalismo brasileiro que quer só lucro, o prejuízo é sempre da sociedade. Por aqui, a elite acha que as regras de risco do capitalismo são para os outros, ela quer só a parte boa do capitalismo. Portanto, cabe ao governo de turno garantir uma política que gere lucro e não atender aos interesses sociais.

O ocorrido na Petrobras é um importante alerta para que lutemos contra a privatização da educação, saúde, prisões, água entre outros. A entrada do financismo nestas áreas faz com que se perca a finalidade de atender aos interesses nacionais e sociais, e passa-se a atender aos interesses do rentismo de grupos econômicos.

Na saúde e na educação, a pressão por atender os padrões de rentabilidade dos acionistas acaba tendo o mesmo “efeito Petrobrás” (perde-se o objetivo da escola ou do hospital e passa-se a ter como objetivo prioritário atender à rentabilidade), com a agravante de que, nestes casos, por envolver terceirização da operação para Organizações Sociais, as fraudes prosperam.

Leia mais aqui.

O formato de gestão, insumos, contratação de pessoal, entre outros itens, passam a ser feitos pelas OSs em função do impacto nos acionistas e não do impacto na qualidade dos serviços e na necessidade das pessoas atendidas.

No caso da educação, o impacto é sentido diretamente na contratação de professores (com alta rotatividade e menor qualificação) e na elevada quantidade de alunos por sala de aula nas escolas (exceção feita às escolas que atendem a população mais bem posicionada financeiramente, onde há co-pagamento de uma parte dos custos pelos pais). As pessoas com necessidades especiais são segregadas devido ao custo maior da atenção, ou então aceitam-se apenas aquelas com necessidades especiais mais leves.

Os motivos para terceirizar a operação para Organizações Sociais, entre eles a sua maior agilidade, não se justificam, pois ao usar Organizações Sociais, deixa-se de aprimorar a legislação do serviço público e dar a este a agilidade que precisa, e passa-se a desviar os recursos que melhorariam a saúde pública (ou a educação) para o bolso de empresários.  Enquanto isso, o sistema público definha e abre passagem para o nascimento e fortalecimento do mercado rentista. Enquanto o lucro for bom, ficam; se não compensar, fecham – como fazem com escolas nos Estados Unidos.

O impacto do custo (fundamental na geração do lucro) é diluído aumentando-se o número de alunos atendidos ou o custo-aluno que o Estado paga aos investidores para cada aluno matriculado pela OS. Claro, não faltam as que informam ao Estado o atendimento de um número de alunos maior do que na realidade atendem. Essa também é uma das fraudes recorrentes no sistema de educação americano privatizado.

O modelo de privatização por contrato de gestão via Organizações Sociais completa 20 anos no Brasil com os mesmos problemas que se vê nos Estados Unidos com a entrada dos “negócios” no saneamento de água, prisões, saúde e educação. No Brasil, uma CPI da Assembleia Legislativa de São Paulo está investigando os contratos com OS na saúde, no Estado, mas deverá caminhar na direção de ratificá-los na crença de que é possível aumentar a fiscalização.

“Em São Paulo, um relatório do Tribunal de Contas do Estado enviado à CPI aponta 23 problemas em serviços de saúde geridos pelas OSs, como o descumprimento de metas estabelecidas e médicos em número insuficiente e desrespeitando escalas de trabalho.”

Leia mais aqui.

Mas a estratégia de aumentar a fiscalização e a regulação é pouco eficaz, como demonstrado em países como os Estados Unidos que há muito tempo lidam com o problema. Primeiro, porque o financismo embutido nas Organizações Sociais sempre arruma outras formas de fraudar; segundo, porque se você regula um setor, o financismo deixa de operar migrando para outras áreas menos reguladas, e terceiro, porque para os economistas liberais, a economia não deve ser regulada, já que o que deve valer é o “livre mercado”. Quanto mais regulação, menos eficiência e maior o custo, dizem.

Modelos mais regulados são apenas uma forma de induzir mercado, quando os processos de privatização estão começando. Depois, a regulação vai sendo esquecida ou eliminada. O caso americano, novamente, é exemplar em desregulamentação, agora que o Departamento de Educação está sob comando da bilionária DeVos, amante dos “vouchers” para escolas privadas, de forma a eliminar as “escolas do governo”, ou seja, as escolas públicas.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Fraudes em privatizações, Privatização, Reforma e Fraudes, Vouchers e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para “Modelo Petrobrás” avança na saúde e na educação

  1. ANDRE LUIS MATTEDI DIAS disse:

    Caro Freitas, no Brasil, há um aspecto sobre o qual pouco se fala: a realidade das escolas particulares. De fato, a pesquisa em educação está voltada majoritariamente para o ensino público, para as escolas estatais, pouquíssimas pesquisas focam as escolas particulares. Ora, parte-se então do princípio, aceita-se como ponto de partida, que as escolas particulares via de regra oferecem boa educação e bom ensino, simplesmente porque são particulares, porque são pagas. Mas qualquer observador atento verificará que isso não é verdade! Aqui em Salvador, por exemplo, as consideradas “boas” e “melhores” escolas particulares oferecem educação / ensino de péssima qualidade! Salas de aula superlotadas, professores mal pagos e mal qualificados, material didático de qualidade duvidosa, programas pouco relevantes, projetos pedagógicos inexistentes ou voltados para o treinamento propedêutico para o vestibular …. Essa é a realidade da grande maioria das escolas particulares! Qual a importância disso para o debate mais geral sobre a educação brasileira, ou sobre o sistema público e estatal de educação? De algum modo, afora as raríssimas exceções, o sistema particular de ensino no Brasil poderia ser tomado como exemplo da péssima qualidade da educação / ensino oferecidos pelo setor privado, principalmente, desde quando foi também tomado pelos padrões econômicos e financeiros de eficiência e produtividade. Não é muito difícil comprovar isso, basta avaliar de modo adequado como está a maioria dos estudantes oriundos dessas escolas depois de concluído o segundo grau. Basta considerar com seriedade e atenção o quanto as famílias de classe média gastam por fora com “bancas” de matemática e redação para que seus filhos consigam desempenho razoáveis nos exames. Onde a finalidade é o lucro, onde dominam as regras da eficiência e produtividade econômica e financeira, a educação/ensino oferecidas quase sempre é muito ruim!

    • Tem razão. Para usar a medida dos reformadores empresariais, gasta olhar para o cálculo do IDEB das escolas privadas. Ocorre que para um país que pretende vender tudo e privatizar tudo, não é bom falar da má qualidade do setor privado… abraço. Luiz

Deixe uma resposta para ANDRE LUIS MATTEDI DIAS Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s